Felipe Lima, Autor em Atala Engenharia Skip to main content
Todas as mensagens de

Felipe Lima

Saiba o que caracteriza uma alteração de fachada do condomínio

Por ArtigoSem comentários

Para muitas pessoas, a compra do apartamento é a realização de um sonho. E logo que os proprietários pegam as chaves, iniciam com as reformas para deixar o ambiente com a sua cara.

Porém, o que poucos sabem – e é importante salientar – que nem tudo é permitido. Algumas dessas modificações, especialmente nas fachadas, descaracterizam a edificação, e podem inclusive culminar com a perda da garantia ou até mesmo ir parar nos tribunais.

Como assim?

Relacionado a garantia vou exemplificar com um caso muito conhecido por todos, a aquisição e modificação de um automóvel zero quilômetros.
Se você comprar um carro zero, e assim que retirar da loja, instalar – por exemplo – um sistema multimídia fora da concessionária. O que vai acontecer? Fatalmente você perderá a garantia da parte elétrica do automóvel, correto?

Pois bem, com as edificações ocorre a mesma situação. É importante entender o que é, e o que não é permitido fazer nas sacadas e varandas dos apartamentos.

E quanto ao processo judicial, caso você faça alguma alteração na fachada, o condomínio poderá solicitar a remoção. E esta por sua vez, se não for cumprida, pode ser acionada pelo condomínio e ir parar nos tribunais.

Essas informações geram estranheza em boa parte da população, uma vez que as varandas e sacadas são elementos constituintes das unidades privativas. Em tese “-eu faço o que eu quiser dentro do meu apartamento”. Mas, não é bem assim.

As varandas e sacadas são sim pertencentes à área privativa. Porém, elas também compõem a fachada e a harmonia arquitetônica do empreendimento. Se não houver ordenamento, e regras quanto as alterações, tão logo a fachada vira uma “colcha de retalhos”.

Alterações de fachada mais frequentes

Dentre as modificações mais comuns, estão: 1-pintar as paredes com cores diferentes; 2-fechar a sacada; e 3-modificar a cor do vidro com aplicação de películas. São mudanças relativamente simples, mas que descaracterizam as fachadas.

Outros exemplos são:

• Mudar a porta da sacada, ou a cor;
• Alterar o forro ou o teto;
• Mudar a cor ou o formato dos gradis e parapeitos;
• Instalar toldos;
• Instalar aparelhos de ar condicionado;
• Instalar varais e pendurar as roupas para secar;
• Instalar antenas.

O que os síndicos precisam saber sobre alteração de fachada

É imprescindível que o síndico conheça a Convenção do condomínio que está atuando. Nesse documento estão descritas todas as alterações que podem ser realizadas na edificação e como elas devem ser feitas.
Como por exemplo, na instalação de redes de proteção, ou fechamento de sacada, qual a cor da rede, o formato do vidro, como deve ser a esquadria, e assim por diante.

Outro ponto importante, é que o gestor predial – representado na grande maioria pela figura do síndico – fique atento quanto as modificações, para atuar o quanto antes com recomendações e/ou penalizações. E que atue de forma preventiva, informando frequentemente os moradores sobre as regras do condomínio, para evitar problemas futuros.

A alteração de fachada foi aprovada por todos – como proceder?

Caso a modificação da fachada seja algo de comum acordo entre todos os moradores, o síndico não pode esquecer de alterar a convenção do condomínio.

E aqui fica uma ressalva: mesmo que seja a vontade da maioria, a alteração só deve ser permitida, caso o condomínio comporte a mudança.

É comum encontrar moradores, que em consenso, decidem instalar aparelhos de ar condicionado nos apartamentos, e aprovam um espaço na varanda para instalar as condensadoras (parte externa do aparelho de ar condicionado), mas se esquecem de toda a parte técnica envolvida.

Nesse caso em específico – instalação de aparelhos de ar condicionado – antes de aprovar a modificação da fachada, é preciso fazer um estudo de cargas para saber se as instalações elétricas irão comportar a modificação.

Vencida essa etapa, o próximo passo é oficializar a alteração na convenção. O ideal é que todas as proibições e permissões estejam neste documento.

O que os moradores precisam saber sobre alteração de fachada

Nem tudo é proibido e nem tudo é permitido. Algo que pode parecer simples, como trocar a cor das paredes, ou instalar aparelhos de ar condicionado, podem trazer grandes consequências. Então, antes de iniciar com as reformas, leia a convenção, o regimento interno, converse com o síndico e entenda exatamente o que pode, e o que não pode ser feito.

Espero que tenha gostado do material, e que faça bom proveito de todas as informações.

——

Sobre o autor Felipe Lima

Mestre engenheiro, palestrante, escritor, visionário, detalhista e apaixonado por manutenção predial. Na sua trajetória profissional já atuou nos estados de SP, BA, DF, PA, RJ, em empreendimentos comerciais, residenciais, shoppings e galpões logísticos.

——

Com 27 anos de experiência no ramo de construção civil, mais de 1.900 obras realizadas em diversos segmentos e profissionais altamente especializados, a Atala Engenharia acumulou muitas técnicas e experiências para dar toda tranquilidade ao cliente. Por isso, incentivamos que você escolha a empresa ideal, aumentando sua satisfação, segurança, qualidade da entrega e a durabilidade da obra.

Seu patrimônio merece ser valorizado ∴
Solicite uma cotação, fale agora mesmo pelo WhatsApp com o nosso time de representantes.

Foto: Pixabay

Clique aqui para baixar o arquivo pdf da matéria.

Impermeabilização por injeção química, uma solução eficiente para vazamento em garagens de prédios

Por ArtigoSem comentários

Acredito que você já entrou em alguma garagem, olhou para o teto e se deparou com diversas soluções paliativas de contenção de vazamentos, como, bandejas, calhas, até mesmo telhas instaladas de forma improvisada para evitar que a água caia em cima de algum veículo.

Se nunca viu, a partir de agora eu te convido a prestar atenção nesse detalhe, tenho certeza que vai se surpreender com a quantidade de “telhados invertidos” que vai encontrar.Isso porque é comum ter problemas de impermeabilização em estruturas de concreto armado, como surgimento de fendas e fissuras que permitem a percolação de água, a qual por sua vez, vai penetrar por essas brechas.

Em geral, as lajes que apresentam esse tipo de falha demandam atenção especial e muitos gestores não tomam a iniciativa de realizar a solução definitiva, por acreditarem que vai demandar muito tempo e dinheiro.

Contudo, existe uma técnica que pode ser aplicada em algumas situações, que é a impermeabilização por injeção química, a qual por sua vez, é muito mais simples, limpa e menos onerosa ao condomínio, porém é pouco difundida.

O que é impermeabilização por injeção química?

Esta técnica consiste em identificar as aberturas e fissuras por onde a água está percolando, e nesses pontos são injetados produtos químicos.

A impermeabilização por injeção química é uma técnica feita diretamente na laje de concreto, o material é aplicado diretamente no ponto em que há a infiltração. O produto penetra no concreto e segue a direção contrária do fluxo de água.

A impermeabilização por injeção química sela pontualmente os locais de falha de maneira permanente, e dessa forma não voltarão a apresentar mais problemas.
Com essa metodologia não é preciso fazer a troca de manta asfáltica, o que permite uma obra muito mais simples e rápida.

Contudo, esta é uma solução que precisa de análise técnica, e deve ser feita por empresas especializadas, que irão passar a melhor solução para cada caso.

Como é feita a impermeabilização por injeção química?

Após avaliado o caso pela empresa especializada, o passo a passo para realizar a impermeabilização por injeção química é relativamente simples, pois não há o quebra-quebra de uma obra convencional. Ele é feito da seguinte maneira:

• Preparação da superfície: a superfície é lixada e limpa para melhorar a visualização da fissura que está gerando o vazamento;
• Furação: depois de limpa a área, são feitos furos nos quais os bicos injetores serão conectados, para então, pressurizar o material impermeabilizante na fissura;
• Injeção de válvulas: depois de furado, são instalados os bicos injetores, eles são os elementos pelo qual a resina será aplicada na trinca;
• Aplicação da injeção química: depois de instalados os bicos, a resina é injetada por meio de uma bomba de pressão. O material preenche toda a extensão da trinca;
• Acabamento: depois de seco, o excesso de material e o bico da injeção são retirados e então a superfície é tratada.

Esse é o passo a passo, é um procedimento simples e sua principal vantagem em relação ao sistema convencional de impermeabilização, é o fato de tratar o problema de maneira localizada, sem a necessidade de uma grande intervenção, como a retirada da manta asfáltica e a recomposição do local.

Novamente, vale ressaltar que essa aplicação deve ser indicada por uma empresa especializada no assunto. Porém, não há dúvida de que é uma técnica muito mais rápida, simples e tão eficiente quanto a maneira convencional.

Quais são as vantagens da impermeabilização por injeção química?
Além de ser mais rápida, a injeção química traz outras vantagens para o processo de impermeabilização.

1. Processo mais limpo: como o produto é aplicado diretamente nos pontos de infiltração e feito de baixo para cima, não é preciso quebrar nada, e por consequência o processo se torna mais limpo;

2. Pode ser feita em qualquer época do ano: a injeção química não é aplicada na superfície, por isso o clima não afeta as obras, pode ser feita inclusive em dias de chuva;

3. É mais econômica: a impermeabilização com injeção química é muito mais barata do que a troca e instalação de manta asfáltica;

4. Sem quebra-quebra: a impermeabilização por injeção química é feita direto no ponto de infiltração através de pequenos pontos, sem a necessidade de quebrar nada;

5. É mais rápido: a impermeabilização com injeção química é bem mais rápida do que outros métodos, como a instalação de manta asfáltica, por exemplo;

Como deu para perceber, a impermeabilização por injeção química é um processo simples, eficiente e que possui diversas vantagens, quando comparada com sistemas convencionais de impermeabilização, porém, pouco difundida.

Se no seu empreendimento você está sofrendo com infiltrações, vale a pena chamar uma empresa especializada para avaliar a situação e indicar a melhor solução.

Boas manutenções prediais para ti.

——

Sobre o autor Felipe Lima

Mestre engenheiro, palestrante, escritor, visionário, detalhista e apaixonado por manutenção predial. Na sua trajetória profissional já atuou nos estados de SP, BA, DF, PA, RJ, em empreendimentos comerciais, residenciais, shoppings e galpões logísticos.

——

Com 27 anos de experiência no ramo de construção civil, mais de 1.900 obras realizadas em diversos segmentos e profissionais altamente especializados, a Atala Engenharia acumulou muitas técnicas e experiências para dar toda tranquilidade ao cliente. Por isso, incentivamos que você escolha a empresa ideal, aumentando sua satisfação, segurança, qualidade da entrega e a durabilidade da obra.

Seu patrimônio merece ser valorizado ∴
Solicite uma cotação, fale agora mesmo pelo WhatsApp com o nosso time de representantes.

Fotos: Freepik

Clique aqui para baixar o arquivo pdf da matéria.

Goteiras, vazamentos e infiltrações na laje? Entenda as causas e como resolver.

Por ArtigoSem comentários

Não há nada pior do que chegar em casa em um dia de chuva, olhar para o teto e se deparar com vazamentos e infiltrações não é mesmo? Só quem já passou por isso sabe a dor de cabeça que é.

E quando se fala em vazamento na laje, os motivos que originam esse problema são os mais variados, desde obsolescência do material, até manutenções mal feitas, é isso mesmo, uma manutenção negligente pode acabar ocasionando os tão famosos vazamentos.

Os sinais clássicos de infiltração em lajes são bastante conhecidos: mofo, manchas, descascamento da pintura, bolor, mau-cheiro, goteiras.

Em alguns casos é difícil identificar a origem do vazamento. Quando a água cai exatamente onde o problema se origina, esses são os casos mais simples de corrigir, porém, nem todos os vazamentos são fáceis de detectar.

Em alguns casos a água percorre longas distâncias de forma imperceptível e somente aflora como infiltração muito longe de onde está a causa raiz do vazamento.

Certa vez fui chamado para auxiliar em um caso, que aparentemente não tinha solução. No térreo do empreendimento havia um gotejamento randômico, as vezes pingava em dias de chuva, as vezes pingava em dias de sol. Na busca pelo vazamento, diversas paredes foram quebradas, forros perfurados, e nada de achar a origem.

Quando cheguei, peguei o histórico das atividades realizadas até aquele momento. Com todas as informações em mãos, a primeira ação foi inspecionar as unidades privativas. Quando chegamos no 14ºpavimento, havia uma parede – com um split instalado – que estava com várias manchas, abrimos o forro e então vimos o dreno do ar condicionado desconectado. A água escorria pela parede, encontrava uma tubulação, percorria em volta da tubulação até chegar na recepção e gotejar.

Nesse caso, o vazamento não tinha nenhuma relação com impermeabilização, mas ilustra muito bem uma frase conhecida na área técnica:

“A água sempre vai procurar o caminho mais fácil, e muitas vezes o vazamento não é exatamente onde está gotejando”
Então, se você está sofrendo com esse problema, o primeiro passo é identificar a causa raiz.

Vazamento entre as unidades

Sabe aquele vazamento que vem do vizinho de cima? Você solicita para ele consertar, e ele insiste em dizer que no apartamento dele está tudo certinho, que não há nenhum vazamento. E quando você visita o apartamento, de fato não há nenhuma mancha d’água.

Pois bem, uma das causas mais comuns para esse tipo de vazamento, são reparos mal feitos em ralos e descargas. A água percola pela estrutura até encontrar um ponto “mais fraco”, e adivinha só. Esse ponto pode ser a sua luminária.
Já nas coberturas, normalmente, o problema está atrelado com alguma falha na impermeabilização do andar superior, o qual por sua vez, normalmente fica em área aberta e recebe toda a chuva.
Um dos motivos pelo qual a impermeabilização da cobertura começa a apresentar pontos de vazamento é pelo término da vida útil.

O que poucos gestores sabem, é que a impermeabilização é um sistema que precisa de manutenção e que possui um prazo de vida útil, mais cedo ou mais tarde, ela vai precisar ser reparada.
Outro ponto, que pode estar ocasionando os vazamentos e/ou infiltrações nos tetos das coberturas são instalações de antenas sem o devido preparo do local.

Como assim?

Na cobertura o piso não pode ser perfurado, porque abaixo da proteção mecânica está a manta de impermeabilização.
O que muitos instaladores de antenas fazem, quando instalam esses equipamentos, é perfurar o piso para aparafusar as antenas, e fatalmente furam a manta de impermeabilização. Resultado?

Vazamento no teto da cobertura.

Para instalação de antenas, o correto é fazer uma base, e instalar a antena nessa base, assim a manta não será comprometida. Contudo, são raros os casos em que os prestadores de serviço constroem essa infraestrutura para instalar as antenas.

E aqui já fica um alerta para você gestor predial, sempre que for instalar alguma antena na cobertura, não permita que o furo seja feito diretamente no piso, porque vai danificar a manta de impermeabilização, e o vazamento é certo.

E para quem já está sofrendo com as infiltrações? Por onde começar?

É importante lembrar que cada caso é um caso. É necessário que um profissional especialista, analise a situação, e com embasamento técnico, recomende o procedimento para correção.

Os motivos de surgimento de infiltração, são os mais diversos:

Falta de impermeabilização da laje;
Deterioração da impermeabilização devido à ação do tempo;
Pontos baixos que criam poças d’água;
Vazamento em torno das tubulações;
Telhas quebradas;
Rachaduras na parte externa do edifício, que favorecem a infiltração;
Furos na manta;
Tubos e conexões mal instalados;
E assim por diante.

Então, procure um profissional capacitado para fazer a análise, identificar o vazamento e apontar a melhor solução. Não tente fazer isso por conta própria, porque você pode acabar tratando apenas o sintoma e não o problema de fato.
Boas manutenções prediais para ti.

——

Sobre o autor Felipe Lima

Mestre engenheiro, palestrante, escritor, visionário, detalhista e apaixonado por manutenção predial. Na sua trajetória profissional já atuou nos estados de SP, BA, DF, PA, RJ, em empreendimentos comerciais, residenciais, shoppings e galpões logísticos.

——

Com 27 anos de experiência no ramo de construção civil, mais de 1.900 obras realizadas em diversos segmentos e profissionais altamente especializados, a Atala Engenharia acumulou muitas técnicas e experiências para dar toda tranquilidade ao cliente. Por isso, incentivamos que você escolha a empresa ideal, aumentando sua satisfação, segurança, qualidade da entrega e a durabilidade da obra.

Seu patrimônio merece ser valorizado ∴
Solicite uma cotação, fale agora mesmo pelo WhatsApp com o nosso time de representantes.

Fotos: Freepik

Clique aqui para baixar o arquivo pdf da matéria.

Trincas, fissuras e rachaduras: entenda a diferença, os perigos e soluções para cada um destes problemas

Por ArtigoSem comentários

Você está fazendo uma ronda na edificação, então nota na parede um risco. Ao chegar mais perto, percebe que ele é na verdade uma rachadura. Ou seria uma fissura? Ou uma trinca

Pois bem, e qual destes termos está correto?
De maneira resumida, os três.

Apesar de muitas vezes esses nomes serem utilizados como sinônimos, eles descrevem diferentes estágios de uma patologia.

O que os difere é o “tempo de vida” e o tamanho da abertura. Apesar de serem manifestações patológicas diferentes, os nomes são comumente trocados no dia a dia. Para um usuário comum, sem o conhecimento técnico devido, essas aberturas são a mesma coisa, mas não são.

 

• Fissura
É o início de um possível problema. Ela corresponde a aberturas finas (de até 1 mm) e são alongadas. Na maior parte das vezes são superficiais;

• Trinca
Quando a abertura aumenta para até 3 milímetros, essa fissura se transforma em uma trinca. Nessa etapa, a abertura divide as estruturas em duas partes distintas. Elas também são mais profundas do que as fissuras;

• Rachaduras
Esse estágio da abertura requer atenção imediata. É mais “fácil” de ser identificada, as aberturas têm mais de 3 milímetros de espessura, em alguns casos é possível ver do outro lado.

As trincas e fissuras podem surgir em qualquer momento da obra ou vida útil da edificação. É uma das patologias mais comuns na casa dos brasileiros.

Muitas vezes são causadas por motivos simples e de fácil resolução, porém algumas delas podem indicar sérios riscos à edificação e a todos que vivem nela.

Então, é fundamental saber diagnosticar a patologia, e a causa da doença.

Em uma analogia simples, as trincas e fissuras são a “febre” do nosso corpo quando estamos doentes, ou seja, ela é o sintoma de algo que está errado na edificação.

Identificar os tipos, tamanhos e causas, é fundamental para o tratamento.

Vale destacar que nem toda a rachadura representa um risco estrutural grave, mas em problemas estruturais geralmente aparecem rachaduras e deformações. Elas são indicadores de risco, especialmente quando aumentam com o tempo.
Rachaduras em elementos estruturais (laje, viga, pilar, fundação) são bem preocupantes. Não ignore esses alertas. Acompanhe de perto esses “avisos” e registre se a trinca ou fissura, está evoluindo, ou seja, se ela está crescendo.

Como saber se essa abertura está crescendo?

É importante se preocupar e ficar atento quando encontrar uma fissura na parede. Em alguns casos ela pode ser apenas superficial, mas essa conclusão não pode ser tomada sem embasamento técnico, isso porque ela também pode ser o aviso de um problema estrutural grave e, infelizmente, já tivemos notícias de desabamentos em construções com rachaduras.

Então, não menospreze os alertas que a edificação está dando.

Para identificar se houve evolução na abertura da parede, faça uma marcação com lápis nas extremidades da abertura, e meça com uma régua, anote a data da medição, e as medidas de largura e extensão da fissura. Após dez dias, repita o procedimento e observe se ela expandiu, seja em comprimento ou em largura.
Se a fissura tiver evoluído, procure um especialista imediatamente para lhe dar o direcionamento correto do que fazer para resolver o problema.

Como resolver esse problema?

São vários os fatores que podem causar uma rachadura na parede, por isso é sempre bom entender a causa para saber se o problema é estrutural ou superficial.
A boa notícia é que, com atenção e atuação de profissionais, tudo pode ser resolvido sem acarretar maiores danos.

Para resolver essa dor de cabeça, o primeiro passo é identificar qual é o tipo de abertura e o que está causando essa brecha. Para isso, contrate um engenheiro habilitado para identificar se o problema é estrutural e o que precisa ser feito para resolver a situação.

É comum encontrar casos em que os próprios moradores tomam a iniciativa em consertar as trincas e fissuras, mas fica o alerta, nem toda dor de cabeça se resolve com aspirina®, muito cuidado com a automedicação, você pode estar tratamento apenas o sintoma e não o problema. Por isso é importante ir no médico e pegar a receita do medicamento correto.

Para a edificação, o engenheiro especialista vai passar a terapia correta para o problema, “qual remédio o prédio deve tomar”.

Não tome atitudes premeditadas, a fissura pode ser apenas superficial, ou o princípio de um colapso.Apenas maquiar a parede para ficar bonita não é a solução. Contrate sempre um especialista.
Boas manutenções prediais para ti.

——

Sobre o autor Felipe Lima

Mestre engenheiro, palestrante, escritor, visionário, detalhista e apaixonado por manutenção predial. Na sua trajetória profissional já atuou nos estados de SP, BA, DF, PA, RJ, em empreendimentos comerciais, residenciais, shoppings e galpões logísticos.

——

Com 27 anos de experiência no ramo de construção civil, mais de 1.900 obras realizadas em diversos segmentos e profissionais altamente especializados, a Atala Engenharia acumulou muitas técnicas e experiências para dar toda tranquilidade ao cliente. Por isso, incentivamos que você escolha a empresa ideal, aumentando sua satisfação, segurança, qualidade da entrega e a durabilidade da obra.

Seu patrimônio merece ser valorizado ∴
Solicite uma cotação, fale agora mesmo pelo WhatsApp com o nosso time de representantes.

Fotos: Freepik

Clique aqui para baixar o arquivo pdf da matéria.

Principais pontos sobre Impermeabilização

Por ArtigoSem comentários

Manchas de mofo e bolor, excesso de umidade, corrosão de armadura. São alguns dos problemas encontrados nas edificações. Contudo, alguns profissionais acabam tratando essas infiltrações com técnicas e/ou materiais inadequados. Então, para evitar complicações futuras, te convido a conhecer um pouco mais sobre impermeabilização, os diferentes tipos e suas respectivas aplicações. Vamos nessa?

O que é impermeabilização?
De maneira resumida, impermeabilização é uma técnica que consiste na aplicação de produtos específicos, os quais têm por objetivo impedir que a água, ou outro fluido, penetrem em uma estrutura – ou escapem dela – causando patologias na construção.

Ela é essencial para impedir que as áreas da edificação sejam danificadas pela ação da água, além de assegurar a integridade física da estrutura.

Nesse serviço são utilizados impermeabilizantes, os quais, por sua vez, são os responsáveis por criar uma “barreira protetora”. Eles são divididos em três grupos: os impermeabilizantes rígidos, os impermeabilizantes flexíveis e os semi-flexíveis. Sendo que, cada um tem uma funcionalidade e aplicação.

• Impermeabilizante rígido
Os materiais rígidos são aditivos químicos que devem ser incorporados à argamassa ou ao concreto na hora da cobertura.
Esse tipo de impermeabilização é indicado para subsolos, poços de elevador, reservatórios de água enterrados, piscinas enterradas, galerias de barragens, ou seja, estruturas que não são submetidas a grandes movimentações.

• Impermeabilizante flexível
Já os impermeabilizantes flexíveis, consistem em mantas pré-moldadas ou misturas moldadas no local.
Por serem constituídos basicamente por elastômeros e polímeros, este tipo de impermeabilizante oferece um alongamento maior. Portanto, se conformam facilmente à estrutura durante a movimentação. É a opção mais utilizada nas áreas externas dos edifícios.

• Impermeabilizante semi-flexível
Como o próprio nome indica, os impermeabilizantes semi-flexíveis (também conhecidos como semi-rígidos) são aqueles com características intermediárias.
Nesta classificação estão as argamassas poliméricas, que são produzidas a partir de cimentos especiais e aditivos poliméricos impermeabilizantes.

6 tipos de impermeabilização mais comuns
Sejam rígidos, semi-rígidos ou flexíveis, os tipos de impermeabilização mais comuns disponíveis no mercado e utilizados nos empreendimentos são:

• Hidrofugantes;
• Argamassa polimérica;
• Injeção química;
• Manta asfáltica;
• Emulsão asfáltica;
• Manta líquida.

Hidrofugantes
Os hidrofugantes são produtos que podem ser aplicados no gesso, nas argamassas e no concreto.
Eles se diferenciam da maioria dos impermeabilizantes, porque além de evitar a entrada da água, eles também impedem a adesão da água na estrutura, mantendo a superfície sempre seca. Contudo, esse é um sistema de impermeabilização rígido, e não pode ser utilizado nos locais sujeitos a grande dilatação térmica ou estresse mecânico por vibrações.
Os hidrofugantes, são comumente aplicados em concretos aparentes, tijolos aparentes e em fachadas de prédio com texturas.

Argamassa Polimérica
A argamassa polimérica é constituída de cimento, agregados minerais e aditivos poliméricos acrílicos, é um sistema bicomponente.
Sua aplicação é feita a frio com o uso de rolos e telas de poliéster para estruturação.
O executante deve tomar bastante cuidado em relação aos prazos de cura na hora de executar cada demão.

Injeção Química
A impermeabilização por injeção química é um tratamento pontual para infiltrações. A proposta é que fendas, aberturas e fissuras que permitam a percolação de água sejam seladas com uma solução de poliuretano (PU), gel acrílico ou vinílico.
A injeção é feita com uso de pistolas sob pressão, diretamente nas fendas. Assim, é capaz de selar capilares com espessuras mínimas.
No geral, em lajes, é aplicada de baixo para cima, facilitando a aplicação e sem a necessidade de grandes obras.

Manta Asfáltica
As mantas asfálticas são materiais pré-fabricados. A aplicação deve ser feita sob calor para garantir a aderência total às superfícies. São extremamente práticas e rápidas de aplicar, um dos seus grandes diferenciais é a enorme elasticidade.
A manta asfáltica é o tipo de impermeabilização mais conhecido pelos gestores prediais.

Emulsão Asfáltica
É um material de composição asfáltica (derivado do petróleo), também conhecida como tinta asfáltica.
É um sistema líquido aplicado a frio (ao contrário da manta asfáltica, que em sua maioria é aplicada com fontes de calor).
E assim como a manta asfáltica, a emulsão asfáltica também não possui resistência mecânica, portanto deve ser revestida (com contrapiso, por exemplo).

Manta líquida
Atualmente, muitos produtos no mercado, independentemente de sua composição, têm recebido o nome comercial de Manta líquida. No geral, são produtos com base acrílica.
Este tipo de sistema de impermeabilização é classificado como flexível, e pode ser utilizado em áreas sujeitas à movimentação térmica. É uma boa opção para reformas em áreas onde não haverá tráfego de pessoas e veículos.

Pois bem, como pode ver existem vários tipos de impermeabilização (aqui foram listados apenas os 6 mais comuns) cada qual com uma aplicação e finalidade. Então, antes de sair comprando, entenda exatamente qual é a sua necessidade. E para não correr o risco de utilizar o produto inadequado, procure apoio de um especialista. Existem boas empresas no mercado que irão te auxiliar nesse processo.

Boas manutenções prediais para ti.

——

Sobre o autor Felipe Lima

Mestre engenheiro, palestrante, escritor, visionário, detalhista e apaixonado por manutenção predial. Na sua trajetória profissional já atuou nos estados de SP, BA, DF, PA, RJ, em empreendimentos comerciais, residenciais, shoppings e galpões logísticos.

——

Com 27 anos de experiência no ramo de construção civil, mais de 1.900 obras realizadas em diversos segmentos e profissionais altamente especializados, a Atala Engenharia acumulou muitas técnicas e experiências para dar toda tranquilidade ao cliente. Por isso, incentivamos que você escolha a empresa ideal, aumentando sua satisfação, segurança, qualidade da entrega e a durabilidade da obra.

Seu patrimônio merece ser valorizado ∴
Solicite uma cotação, fale agora mesmo pelo WhatsApp com o nosso time de representantes.

Fotos: Shutterstock

Clique aqui para baixar o arquivo pdf da matéria.

Corrosão de armaduras

Por ArtigoSem comentários

No seu empreendimento existem estruturas de concreto armado com manchas de ferrugem, barras de aço aparente, fissuras profundas? Se a resposta foi sim, provavelmente você tem um problema de corrosão de armaduras.

A corrosão de armaduras em concreto armado, é um problema sério e muito comum dentro das edificações.

Devido a falhas construtivas, erros de projeto, ou até mesmo mau uso das estruturas. Fatores que, isolados ou combinados, fatalmente culminarão com a aparição dessa patologia.

Os danos causados podem afetar, tanto a estética, quanto a segurança da edificação. Podendo, inclusive, levar a colapsos estruturais, em casos mais severos.

Por esse motivo, é importante tratar o quanto antes para que não corra nenhum risco.

Como os metais existentes dentro da estrutura do concreto oxidam?

Pois bem, acontece que a película passivante da armadura é destruída pela ação combinada de umidade, oxigênio e de agentes agressivos, principalmente cloretos, que penetram no concreto.

*Película passivante, de maneira resumida, é a “proteção” que o metal possui. Caso ela seja atacada, dá-se início ao processo de corrosão.

Como a corrosão da armadura danifica o concreto?

Essa é a dúvida de muito gestor. Como o metal oxidado, que fica dentro da estrutura, consegue danificar a minha parede, pilar, e assim sucessivamente?

O que acontece, é que as reações corrosivas produzem compostos ferrosos, os quais têm maior volume do que o material original.

É comum ouvir dizer que o metal oxidado, aumenta de 7 à 8 vezes o seu tamanho. Essa expansão causa pressões internas no concreto, que levam ao surgimento de fissuras.

E é um ciclo interminável, porque com o surgimento das fissuras, fica mais fácil para a penetração de agentes agressivos, o que intensifica ainda mais o processo.

De maneira resumida, a própria armadura oxidada, é o que faz o cobrimento das estruturas se romperem.

Por que a corrosão de armaduras é algo preocupante?

O processo corrosivo, nada mais é do que a deterioração do aço – que por sua vez tem um papel fundamental na estrutura – após iniciada a corrosão, caso não haja intervenções de tratamentos e recuperações, ela irá adquirir uma constante de progressão ininterrupta.

Ou seja, uma vez que o metal começou a oxidar, esse processo continuará até que o material seja totalmente deteriorado, ou devidamente tratado.

Com a estrutura metálica danificada, há uma diminuição da capacidade de resistência aos esforços. A estrutura fica mais “fraca”.

Recuperação de estruturas danificadas pela corrosão

Existem múltiplas estratégias de intervenção para recuperação de estruturas de concreto danificadas pela corrosão.

A busca pelo melhor método deve considerar diversos fatores, como, o nível de comprometimento das peças, o tipo e a profundidade da contaminação, a localização da edificação, a vida útil residual pretendida para a estrutura, entre outros.

Lembre-se: cada caso é um caso.

Assim como um médico não consegue generalizar os tratamentos das doenças com apenas um medicamento. Na Engenharia acontece o mesmo, para cada caso há um “remédio”, um tratamento adequado.

Contudo, para reparos localizados com pontos de corrosão em armaduras, que ainda não geraram problemas estruturais, o processo de tratamento normalmente realizado, segue as seguintes etapas:

  1. A área danificada é demarcada com corte;
  2. É feita a escarificação do concreto;
  3. Todo o material deteriorado e desagregado é retirado;
  4. O produto da corrosão formado é retirado, e todo o metal é limpo;
  5. São aplicados neutralizadores, inibidores de corrosão na armadura;
  6. Depois de tratada a armadura, é feito o preenchimento com argamassa de reparo.

Vale destacar que esse é um processo simplista e resumido do tratamento desse tipo de patologia.

Caso você tenha esse problema no seu empreendimento, o primeiro passo é contratar um profissional especialista para avaliar. E então, com fundamentação técnica, seguir com o procedimento adequado de recuperação.

Lembre-se: Manutenção Predial é Coisa Séria, não tente fazer esse serviço por contra própria, caso não tenha o conhecimento.

Infelizmente já vimos casos de prédios que colapsaram, e levaram a morte de diversas pessoas, porque o tratamento aplicado não foi o correto.

Vai contratar? Procure por empresas e profissionais especializados.

E boas Manutenções Prediais para ti.

——

Sobre o autor Felipe Lima

Mestre engenheiro, palestrante, escritor, visionário, detalhista e apaixonado por manutenção predial. Na sua trajetória profissional já atuou nos estados de SP, BA, DF, PA, RJ, em empreendimentos comerciais, residenciais, shoppings e galpões logísticos.

——

Com 27 anos de experiência no ramo de construção civil, mais de 1.900 obras realizadas em diversos segmentos e profissionais altamente especializados, a Atala Engenharia acumulou muitas técnicas e experiências para dar toda tranquilidade ao cliente. Por isso, incentivamos que você escolha a empresa ideal, aumentando sua satisfação, segurança, qualidade da entrega e a durabilidade da obra.

Seu patrimônio merece ser valorizado ∴
Solicite uma cotação, fale agora mesmo pelo WhatsApp com o nosso time de representantes.

Fotos: Freepik

Clique aqui para baixar o arquivo pdf da matéria.

Reforma de fachada: valorização e segurança.

Por ArtigoSem comentários

Em todos esses anos trabalhando com Manutenção Predial, pude notar que há um denominador comum entre as edificações quando o assunto é segurança e valorização patrimonial.

Frequentemente converso com moradores que ficam surpresos ao saber que o empreendimento vizinho – idêntico ao seu – tem maior valor de mercado.

Isso se dá, graças às atividades preventivas que mantêm àquela edificação sempre em bom estado. O que poucas pessoas entendem.

Para ilustrar melhor essa situação, eu vou propor uma dinâmica.

Pense em dois prédios idênticos, um ao lado do outro, feitos pela mesma construtora, lançados no mesmo ano. Porém, um passou por manutenções preventivas periódicas, fez a limpeza e pintura da fachada, tratou todas as patologias, cuidou perfeitamente da estética e usabilidade do prédio; E o outro não teve nada disso.

Qual dos dois, você acredita que tem maior valor?

E aqui vai mais uma informação: Além de impactar no valor de mercado, o bom estado de conservação das fachadas, interfere também na segurança da edificação.

É isso mesmo, você leu certo, segurança.

A reforma de fachada serve para resolver problemas patológicos que surgem com o tempo, e previne a aparição de novas manifestações. Essa atividade mantém a integridade da estrutura.

Todos nós já assistimos jornais que noticiaram quedas de elementos construtivos das fachadas.

Como no caso do prédio em Fortaleza, localizado na Rua Lígia Monte, no qual parte da fachada desabou e os escombros caíram e quebraram o piso térreo. A estrutura cedeu e acertou dois veículos que estavam estacionados no 1º (primeiro) subsolo. Tinha tudo para ser uma catástrofe, felizmente ninguém se feriu.

Diferente do fatídico caso do Edifício São Cristóvão em Recife, no qual uma mulher de 60 anos faleceu ao ser atingida por parte do prédio. Ela passava pela calçada quando uma pedra caiu do empreendimento e a acertou. Ela morreu na hora.

Vale lembrar que a responsabilidade civil e criminal é do condomínio, e consequentemente do síndico, o qual – se comprovada a omissão e negligência quanto à conservação da edificação – pode responder legalmente pelo caso.

Fazer a manutenção preventiva na fachada do empreendimento, traz tranquilidade e segurança para todos. Nunca se esqueça disso.

É melhor prevenir do que remediar

Se o portão não for bem cuidado, ele vai quebrar. A bomba vai parar de funcionar, o elevador vai travar.

E com a fachada não é diferente. É importante que ela seja bem mantida. Há uma série de problemas que podem ocorrer devido à má conservação desse elemento, podem surgir trincas, fissuras, infiltrações, desplacamentos.

Se quiser evitar grandes dores de cabeça, já sabe por onde começar: Manutenção Preventiva.

Agora que já estamos na mesma página. Que tal retornar ao assunto valorização?

A fachada é o cartão de visitas do empreendimento, é a primeira parte do prédio que todos veem. E somente por isso ela já merece atenção redobrada.

Pintar, trocar pastilhas, mudar o revestimento. Além de gerar mais segurança, aumenta também o valor de mercado.

Todos gostam de ambientes seguros, bonitos e aconchegantes. Ter uma fachada bem cuidada, pode fazer toda a diferença na compra e venda das unidades.

Pense nisso.

E antes de finalizar, deixo aqui mais um ponto de atenção.

Cuidado com as Empresas Pato

Pato é um animal que anda, nada e voa.

Mas anda mal; nada mal; e voa mal.

Quando for contratar esse serviço, procure sempre por especialistas, empresas idôneas, com profissionais capacitados e habilitados que ofereçam garantia dos serviços. Não vou me estender muito, porque isso é tema para um próximo artigo, e já estamos finalizando este aqui.

Pois bem, espero que tenha gostado do material, e que faça bom proveito de todas as informações.

Cuidar bem da sua fachada, será o fator chave para garantir a segurança e a valorização da sua edificação.

——

Sobre o autor Felipe Lima

Mestre engenheiro, palestrante, escritor, visionário, detalhista e apaixonado por manutenção predial. Na sua trajetória profissional já atuou nos estados de SP, BA, DF, PA, RJ, em empreendimentos comerciais, residenciais, shoppings e galpões logísticos.

——

Com 26 anos de experiência no ramo de construção civil, mais de 1.900 obras realizadas em diversos segmentos e profissionais altamente especializados, a Atala Engenharia acumulou muitas técnicas e experiências para dar toda tranquilidade ao cliente. Por isso, incentivamos que você escolha a empresa ideal, aumentando sua satisfação, segurança, qualidade da entrega e a durabilidade da obra.

Seu patrimônio merece ser valorizado ∴
Solicite uma cotação, fale agora mesmo pelo WhatsApp com o nosso time de representantes.

Fotos: Ivan Samkov do Pexels.
Clique aqui para baixar o arquivo pdf da matéria.

×